Links Especiais:

Romanée-Conti, o diamante da Borgonha

  • Publicado sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

O Romanée-Conti é um dos melhores, mais rarefeitos e mais caros vinhos tintos do mundo, com safras que necessitam de décadas para amadurecer. Sem dúvida, é uma das vinícolas mais tradicionais da França, onde os vinhos são produzidos artesanalmente, em quantidades muito pequenas.

Romanée-Conti é um vinho D.O.C. (Denominação de Origem Controlada), de um vinhedo de uvas tintas realmente selecionadas, verdadeiros grand crus, na Côte de Nuits, uma subregião da Borgonha. O principal tipo de uva plantado ali é o Pinot Noir. Ele está localizado na comunidade de Vosne-Romanée e é um monopólio do vinhedo Domaine de la Romanée-Conti. Este terroir faz fronteira ao oeste com La Romanée, ao norte com Richebourg, ao leste com Romanée-Saint-Vivant e ao sul com La Grande Rue. Todos estes são terroirs importantes, produtores de vinhos tão raros e tão famosos quanto o Romanée-Conti.

Este vinho tem uma longa história. Os romanos cultivaram esta estreita faixa da Borgonha há alguns milênios, com os Beneditinos tendo assumido o controle dos Bispos de Langres e Autun, no século X. Este ilustre pedaço de terra foi adquirido pelo Príncipe de Conti no século XVIII. Com a morte do príncipe, o terreno foi vendido para um dos banqueiros de Napoleão. Já naquela época, apenas poucas centenas de caixas eram produzidas a cada ano.

Já no século XIX, o Romanée-Conti foi um dos últimos vinhedos da Borgonha a refazer sua plantação com mudas enxertadas, em 1945, após a epidemia de filoxera (uma espécie de mosquito minúsculo que se constituiu como a praga mais devastadora da vinicultura mundial, alterando profundamente a distribuição geográfica da produção vinícola e provocando uma crise global na produção e comércio dos vinhos que duraria quase meio século). As mudas antigas foram retiradas, o solo foi tratado e o replantio ocorreu apenas em 1947. Quando a vinha foi reconstituída, descobriu-se raízes com até um metro de profundidade, e foi a partir daí que as características mais marcantes do Romanée-Conti passaram a ser exploradas. A primeira safra produzida após esta epidemia foi a de 1952. Desde 1985, a agricultura orgânica vem sendo amplamente praticada nas vinhas do Domaine de la Romanée-Conti.

Não é o pedigree que realmente importa, mas sim as características ímpares do Romanée-Conti e dos demais vinhos produzidos pelo Domaine – tudo em quantidades misticamente minúsculas. The First Growth of Bordeaux – como são chamadas as vinhas Latour, Lafite, Mouton, Haut-Brion e Margaux – produzem, em média, 100.000 caixas anuais, sendo que no mesmo período, o Domaine de la Romanée-Conti produz cerca de 6.000 caixas – e menos de 500 dessas caixas são de Romanée-Conti. Outro vinho também tão exclusivo produzido no Domaine é o La Tâche, que rende o dobro do Romanée-Conti. O Domaine também produz alguma quantidade de Richebourg, Romanée-St.Vivant, Grands Echézeaux e o Echézeaux regular.

Como todo bom vinho, ele se encaixa perfeitamente na equação tipo de uva, solo, clima, orientação e irrigação. Mas ainda assim, é difícil distinguir a diferença entre os tintos da Borgonha e de Bordeaux. Os vinhos da Borgonha são caracterizados por sua produção mais complexa – apenas alguns poucos produtores obtêm êxito com os plantios da região. Suas melhores uvas produzem um vinho floral, que preenche o paladar e inebria, apelando mais para as emoções que para a razão. Quando foge à regra, o vinho se torna suave, magro e sem profundidade – o que é muito apreciado pelos amantes dos Bordeaux, e por esta razão, os vinhos de uma mesma região podem variar tanto em preço e qualidade. Os vinhos Bordeaux são mais lineares e de fácil ingestão, enquanto os da Borgonha são mais elusivos e sensuais.

À primeira vista, a plantação do Romanée-Conti não tem nada de extraordinário. Porém, o solo deste lote contém uma camada muito fina de argila, o que não existe nos demais terrenos da região. A drenagem natural do solo é perfeita. Aliados ao clima, este conjunto de fatores naturais propiciam a plantação das uvas Pinot Noir, que são colhidas e cuidadosamente selecionadas para a confecção do vinho.

Como algumas coisas boas da vida que ficam melhores com o passar dos anos, as colheitas do Domaine de la Romanée-Conti não devem ser tocadas por 20 a 30 anos. Para uma demanda menor de caixas, é preciso ter paciência para aguardar a fermentação e o descanso das uvas por pelo menos 15 anos. Isso significa dizer que a colheita de 2010, não vai gerar vinhos até antes de 2025! A maioria dos grand sommeliers irá direcioná-lo a escolher hoje, um vinho da safra de 1992, por exemplo.

A sede do Romanée-Conti é uma casa simples, cercada por um portão alto feito em aço. É ali que Aubert de Villaine e seu time cumprem todas as etapas assim que a colheita é realizada a cada mês de Setembro. De Villaine é um homem ponderado e modesto, que dedica todo o seu tempo para cuidar do Domaine.

Duas famílias detém o comando de toda a região de grand crus da Borgonha – os Leroy e os Villaine. Ao todo, eles cuidam de cerca de 25 hectares de terroirs. Por esta razão, os clientes devem adquirir os vinhos destes domaines em caixas com doze garrafas, uma de cada terroir, sendo que o Romanée-Conti é apenas um deles. A caixa com a dúzia de exclusividades normalmente é comercializada em leilões, dada a raridade dos vinhos que as compõe. Uma única garrafa da safra de 1978 foi vendida em um leilão por US$ 24.000. Em Setembro de 2006, uma caixa com 6 garrafas Magnum (1,5 l) e 12 garrafas Standard (750 ml) foi arrematada por US$ 345.000.

Aos olhos, o Romanée-Conti possui um tom vermelho escuro, ao mesmo tempo translúcido, demonstrando todo seu poder. Ao olfato, ele libera logo nas primeiras notas, uma gama estonteante de aromas de delicadas flores, como no início da primavera. Ao paladar, ele é suave e gracioso, parecendo preencher toda a boca. Trata-se de um vinho encorpado, que ao menos por um instante, deixa seu degustador incapaz de compreender qualquer coisa, verdadeiramente inebriante. E não poderia ser diferente, para um vinho tão marcante.

Preço: a partir de US$ 8.000, dependendo da safra (sem impostos e frete)

Localização: Société Civile du Domaine de la Romanée-Conti, Borgonha, França

Coordenadas: 47°09’40”N 04°57’18”L

Para maiores informações, visite o site: www.romanee-conti.fr

Redação Blog do Luxo – Todos os direitos reservados

Para os apreciadores de bons vinhos, este vídeo traz uma seleção dos melhores tintos e cuvées do mundo, incluindo o Romanée-Conti